Select Page

 

Na última quarta-feira (22/11), o deputado Alexandre Baldy (sem partido-GO) tomou posse, como ministro das Cidades, em cerimônia realizada no Palácio do Planalto.

O deputado substituiu Bruno Araújo do partido PSDB-PE, pediu demissão no dia 13 de novembro. Bruno alegou não ter mais apoio do seu partido na pasta, pois os tucanos estão divididos em relação a permanência no governo Federal.

A nomeação de Alexandre Baldy para o cargo foi publicada no Diário Oficial da União nesta quarta. Araújo já retornou ao mandato de deputado federal.

Baldy enfatizou os agradecimentos ao presidente da Câmera, Rodrigo Maia (DEM-RJ), além de agradecer intensamente ao governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB-GO) e aos aliados que apoiaram sua indicação para o ministério.

O novo ministro ainda defendeu a posição do presidente Michel Temer.

“[Quero um] modelo de cidade que nosso povo tanto merece e precisa. Se depender de mim, e se depender de Temer, Maia, ministros, estaremos entre os países que mais construíram soluções de moradias populares”, declarou.

 “Queria agradecer ao presidente Michel Temer, agradecer a confiança de um ministério de tamanha importância. Porque é nas cidades que um país começa a ser grande, forte e justo. Agradecer ao presidente da Câmara por me dar o apoio tão imprescindível para que eu pudesse, durante meu período da Câmara, relatar várias matérias importantes e me relacionar com meus colegas deputados que aqui estão. E para que pudesse iniciar essa minha nova fase, com confiança e garra para cumprir e corresponder a altura a missão que agora me foi dada”, afirmou Baldy.

Alexandre Baldy ainda se referiu ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), como “querido amigo” e atribuiu a ele seu crescimento no primeiro mandato como parlamentar.

De acordo com Baldy, Maia lhe deu um “apoio imprescindível” para relatar projetos importantes no Congresso e para “se relacionar tão bem” com os colegas no Legislativo.