Select Page

 

Na China, a tecnologia de reconhecimento facial está se espalhando para diversas áreas. O reconhecimento fácil por inteligência artificial é uma delas. No país, você pode encontrar sensores por todo lado, até mesmo para evitar o roubo de papel higiênico em banheiros de templos sagrados, validar compras em redes de fast food e proteger casas e estabelecimentos em geral.

Não é à toa que a China é um país muito vigiado, até mesmo por uma questão cultural. país tem cerca de 176 milhões de câmeras de segurança. Por isso, não é de surpreender que um professor chinês está fazendo chamada de alunos em uma faculdade, através de reconhecimento facial.

 

Resultado de imagem para reconhecimento facial

foto: divulgação.

 

Aquele velho truque de assinar seu nome e o de mais três amigos na lista de chamada, acabou para as turmas do professor Shen Hao, que dá aula de Comunicação na Universidade da China. Hao tem mais de 300 alunos em seis cursos diferentes, então resolveu adquirir a tecnologia de inteligência chamada Baidu, facilitado assim, evitar que seus alunos faltam as aulas e ganhem presença.

Antes de começar as aulas, ele ativa um sistema em seu tablet, que pede para que os alunos se posicionem em frente ao dispositivo. A câmera, então, tira foto deles, enquanto o dispositivo busca pela correspondência na imagem no banco de dados da instituição.

“A forma tradicional de verificar a presença é fazendo uma lista de chamada. Este novo sistema economiza tempo e reduz a carga de trabalho dos professores“, contou Shen ao site “China Daily“.

De acordo com a publicação, os alunos têm brincado com o fato de o recurso de reconhecimento facial praticamente dificultar cabular as aulas. Mas brincadeira a parte, a maioria dos alunos diz apoiar o uso da tecnologia na universidade.

No Brasil nossa população se formou de várias etnias diferentes, o que de certa forma fica mais fácil diferenciar pessoas pelo seu tipo físico, mas a etnia oriental os indivíduos são mais parecidos, será que o professor tinha dificuldade para reconhecer seus alunos? Brincadeiras à parte, será que essa tecnologia de reconhecimento facial teria sucesso nas universidades brasileiras ou não?

 

Leia também Alexandre Amaral de Moura